PSICÓLOGA, TERAPEUTA DE FAMÍLIA E CASAL.

CHRISTINA

SUTTER

Nasci em Petrópolis onde vivi até os 17 anos. Nessa época mudei para Fortaleza, mas logo voltei para o Rio onde fiz psicologia na UFRJ. Já formada, trabalhei na Fundação Educacional do Jari, em Monte Dourado, PA, onde implementei um serviço de psicologia escolar nas escolas da região.

_MG_9142_edited_edited.jpg

De lá voltei a morar em Fortaleza onde descobri, em 1986, o curso de capacitação em terapia familiar oferecido pelo Centro de Estudos da Família/UFC. Minha experiência com escolas ensinou que alunos com problemas geralmente tinham famílias passando por dificuldades. E essa foi minha motivação para fazer o curso e gradualmente deixar a área educacional para adentrar na clínica.

 

Em 1990, já professora da UNIFOR, onde lecionei por 28 anos, organizei um curso de especialização em abordagem sistêmica da família, oferecido a profissionais de diversas áreas, na época um curso com um formato pioneiro no Brasil. Cursos semelhantes a esse foram depois organizados com minha consultoria no curso de saúde coletiva da UFRN e na UNI-RN em Natal.

 

Em 1994 criamos o projeto de atendimento à famílias e casais no SPA da UNIFOR. Dessa experiência organizamos um livro sobre Família e Vulnerabilidade Social (Sutter, Bucher-Maluschke, Pedrosa, 2015).

 

Entre os anos de 2008 e 2009 trabalhei como voluntária junto à organização Médicos Sem Fronteiras, na implementação de um programa em saúde mental em um hospital maternidade de Porto-Príncipe, quando tive a oportunidade de introduzir a perspectiva sistêmica tanto no trabalho com a equipe hospitalar quanto junto às pacientes e suas famílias.

 

Em 2012 a partir de um feliz encontro com uma aluna, justamente a Natasha, montamos o curso de formação em terapia familiar. Em 2016 fundamos com alunos da primeira turma a Associação Cearense de Terapia Familiar, ACTF. Além da minha paixão pela clínica com famílias, gosto de vivenciar outras culturas, além de fotografar.

 

Tenho também uma veia ambientalista porquanto a visão sistêmica me obriga a pensar em termos de preservação e sustentabilidade. Daí meu interesse em difundir esta perspectiva no domínio humano e ambiental.